Olhos voltados á Deus – Aspirando as coisas dos céus . [homens, mesmo em repúdio feminino, como São José – Buscai vos lapidar -se, em graças]

“Vê a vida por conteúdo e ressurreição”  

Introdução

A palavra dos entornos de vida apostólica de João, no exercício vivo com Jesus, em vida contínua de plenitude e presença com Divino vivo iluminado, e seus íngremes da Igreja – FC, diz – nos: “Quem crê no Filho, tem a vida eterna”.

Que palavras sabias, que nos trazem alegria e renovação e Fé. Uma vida simples de mulher dedicada na sua aspiração de Filhos(as), de Deus, aspirar os céus, em plenitude e instancias naturais comunitárias cotidianas, nosso dia a dia.   Mesmo em meio as contradições existenciais, mais a luz do Senhor, sempre impera e reina, pelos que creem no Senhor. Jesus, adorado e copioso. Sempre aclamado, suplicado e vida.

Ao Cristianismo PF – Para viver a humanidade de Cristo, nosso além e não apenas e tão somente – Meros religiosos Cristãos de fé, mas, que sob a graça de Jesus, e “Sim – Livre” Divino de Nossa Senhora, testemunho humano enquanto criatura por eleição ao Projeto Salvífico – Maria cheia de Graças. Por então, cantou e aclamou – Magnificat. 

Tantas mulheres, e muitos homens, eleitos divinos acolhem as graças e revelações de Deus. Pois não concebemos alegria, de sermos as vezes “fariseus e hipocráticas” em nossas hipocrisias[Pecados, atos e omissões…] existem em nós ainda, mesmos crentes e práticos na fé, ficamos e vermos escândalos minuciosamente, diante de padrões impostos a nossos olhos, que não negam vida de Evangelho, mais simples vidas de aparência e apreciáveis a nossos olhos de desejos. Agora, ao abrimos páginas de jornais On line ou telecomunicação de massa, e lá as manchetes que sagram nossos olhos humanos em Jesus: “Esposo mata namorada, depois de rompimento! Mãe mata filha, por romance com genro!” Vizinho empresário em condomínio residencial, mata família e salta suicídio, por meros insistentes pedidos de silêncio!”. E   jovem de 16 anos, é atropelada na calçada, depois de retorno da Igreja – Embriagues de motorista.” Desemprego, 12 milhões, em queda de índices – IBGE 2018.” Índices de desflorestamento, cresce 16%, na Amazônia – 2019. A comunidade indígena amazônica, não têm espaços de sobrevivência natural – comunidades estão sendo dizimadas… E nesta final, comentamos: “A história do princípio de miscigenação e colonização do Brasil – Portugueses reais; E Africanos naturais e precursores habitantes miscigene-Os  (Nobres frágeis e nobres guardiãs criativos e inteligentes com pele e brilho Cortez, em vida e aparência fecundas e rentáveis de capitais em trabalhos braçais ”) e olheiros agudos  Espanhóis.”

Relato de simples manchetes, que escandaliza – se, e desses fatos evidenciados, não entramos na humanidade, em Cristo Jesus. Sem contradições, com amor e prevenção na vida e Civilização de amor sobre-existem nosso referencial de Cristãos Católicos e apostólicos Romanos – PF, a “Boa Nova” de ressuscitados pela Cruz do Senhor.    

Celebrar ao Senhor, invoca-Lo igual a Todos, o seu nome, (Sb,7,1). Pois aos louvores de Salomão chegou ao Senhor: “Também, eu oh Iahaweh, sou homem mortal igual a todos… (S l 105,1).” Os nossos suspiros e amor, gratidão e como também louvores a cada dia, que amanhece e atentos, oh! dia raiou e com o Sol… Ou nebulosos dias pueris, de baixa luz. Mais vivos…Louvores sejam e cheguem ao Senhor. O grande louvor, pelo dom da vida.

Podemos refletir um ponto na vida, existe destino? O que é destino? Um pequeno e breve colóquio. Adentramos a linguística de verbete da língua portuguesa, de forma mais popular e moral, sem vínculos vernáculos e gregos anteriores: “Geralmente, é concebido como uma sucessão inevitável de acontecimentos relacionada à uma possível ordem cósmica. Portanto, segundo essa concepção, o destino conduz a vida de acordo com uma ordem natural da qual nada que existe pode escapar…, (Wik.,2019)”.  Nossas percepções, sabemos, que essa mentalidade sobre o Cosmos – Caos ou a ordem natural, conduz e caracteriza-se para providência de uma harmonia na ou desequilíbrio cósmico. Trazendo para moral Cristã, e adentrando para discernimento entre o bem e o mal. Analisar, compreender e estimar que correntezas levam [BEM – MAL], por não são aparências inevitáveis, podem ser trabalhadas, rogadas e aplanadas, para que caminhos afluam sob as veredas do “conhecido ou desconhecidos das coisas”, para ser evitável. Prevenção e práticas, cuidados, zelos …Aspiramos as coisas dos céus, assim a sabedoria, nossa mãe, aos atentos e fé e inspiração.  Este destino, pela pré – concepção natureza, as forças cósmicas naturais, se apresenta caso não convertamos nossos: Nosso respeito em atos, atitudes e observação as leis naturais e civis, revertam paralelidades e anelos com a BIO e seres vivos.

Surgirão ameaças reativas – O ser humano [Administrador do Reino], sob a “batuta e batidas tendentes do coração”, inteligente racional, conhece ou desconhecem, semelhantes a imagem Divina Reluz. O dom da inteligência talhada, reproduzem, fazem e combatem de prevenção para o cursor norma da ordem natural, encontre seu leito, e curso. O animal irracional, tateia, convergem para autodefesa instantânea como predador e sobrevivência para não presa fácil, as cadeias naturais dos seres irracionais, de maior pote e poder de forças, neste campo, têm suas leis. Para o lado racional e humano – Predador educado, e no aprendizado, converte-se, em harmonizar -se com bens:  Sendo educador, recondutor, preservador etc., contra o irracional da desarmonia predatória. E tão pouco, e nem subliminar ou adiar, ao concebermos por inevitáveis, sermos mais que predadores – O impossível aos mistérios de Deus Criador e sua obra Divina – Não seja caos, para tudo acontecer. Possível – Assim se fez Criação e administrador multiplicador – Seres humanos, pilares dos milagres divinizados, da Co criação. Essas, de como? E com que formas? Podemos evitá-las? As correntes dos inevitáveis e evitáveis nos competem, sim. Aos que não podemos, supliquemos e pedimos. Deus todos ouvidos… Assim temos e somos – Livre arbítrio, às escolhas e caminhos, a direção, é a única, sem ou com “Alpes ou declives” de trilhas e opções – “L A.” 

Uma grande mulher Contemporânea Séc. XXI, Irmã Dulce – Vida e simplicidades, contornou mistério e vocação – Área da saúde preventiva e hospitalar. Ministra de sabedoria no acolhimento e terapia de enfermos, de calorosa e copiosa aptidão, um testemunho Cristão, foi eleita pelo Senhorio Divino, de extrema e cuidadosa aos PF – Evangelho e humanidade de Jesus. Aspirava caridade de amor e vida terrena, enquanto “esposa” de Cristo, e sempre idas e vindas, suas palavras brilhavam sábias, em “João”, dignificava por crê e acreditar no Filho encarnado, que a vida – Altos dos céus e seu conteúdo: Testemunho de práticas de amor e palavra. Em relação a encarnação Divina do Pai, em Jesus, que marcou e marca ser possível des revelar o real, a verdade, na intimidade com Ele, próxima com irmãos(as) fraternamente, e em nosso cotidiano: Famílias; Igreja; Comunidade; Trabalho; Lazer; Culturas; E etc. Fazer e ser amizade com Deus, que é sobrenaturalmente, e por isso cumprir só se acabam o da Terra, compreensão de conteúdo sobretudo, (Carol, H.,2019).

As revelações da Irmã iluminavam – Nos, em sempre nos aproximamos de Deus, e estamos atentos, na construção de coisas dos altos, que constrói o outro (a) [Próximo] e a si mesmos. Discernir sempre, nos leva a conhecer o Pai – Fonte do Dom da vida em Jesus, (Jo 17,3). Precisamos percebermos, mais dar crédito e abri-nos, neste prelúdio diário, o que seja de Deus.  

A caminho de Santidade do cotidiano, O Papa Francisco, exorta-nos para sábias palavras estacionadas da vida de Sito Inácio: “É divino não se assustar com as coisas maiores, e simultaneamente, cuidar das menores”. O tempo longo que temos aqui, nossas responsabilidades, realmente são grandes para nós, mais menores e pequenos para o Senhor, porque são simples para administrar as de origens da Criação maiores divinas – Supra providentes; Onipresentes e Oniscientes. Ele as cuida para nós filhos(as). As nossas Co criadas, Deus nos capacita para ampliar e tornar-se – Nos capaz, ao olhar diviníssimo por nós, com Ele, N’le.  Assim portanto Imagem e semelhança.

“Feliz o homem que Nele se abriga, (Sl 34,9)”.

Procurai – O com simplicidade de coração, (Sb 1,1)”.  Graças Sob o olhar divino, muitos testemunhos no apostólico servir e amor profissional e ético, em ensino, educação para aprendizagem, dedicam-se com estímulos do senhorio, em construção da instrução em ensino e em formar cidadãos cristãos(as), mesmo e em intemperes para o ante social e humano, pseuda filosofias e correntes, que plenificam contundentes ápices eixos pelo financeiro, contraditórios e contraditórios para os (as), que ainda não conquistaram ascensão de reconhecimento financeiros e direitos em seus deveres – Carta CB – 1988, que galgam paulatinas veredas e caminhadas com fidelidade e fé. Não os deixa, esfriar e perder a fé e esperança, nosso “cajado” em, não desistirmos ou negar – nós o que fora – lhes confiado. Iluminadas e fiéis mulheres, e   conscientes leigos, plenos homens – Santos, que permanecem firmes. “A quem muito, confiado, m ais e mais serás cobrado”.  

O que de empecilhos impede – nos o amor ciumento em Jesus

Da geração de Abraão a Davi, até chegar a José, em 14 (quatorze gerações): Abraão – Isaac…; Jessé gerou Davi; Davi – Salomão… E ocasião de exílio na babilônia, como pós, Jacó gerou José, o esposo de Maria – Jesus nasceu – Chamado o Cristo [Deus conosco]. Uma dinastia pela cultura de Judaísmo, em apelos famílias de comunidades e laços próximos de amor, assim situava a um Cortez e chamado a fecunda e prosperidade familiar em casamentos. A cultura, considerava ao compromisso de pais entre famílias encaminhar seus filhos(as), desde pequenos para a graça de Deus, prometidos um ao outro, de certo que a muito existia e nascia amor, pois o esposo, considerava – se tinham orgulho de considera-se e afirma-se por “marido”. Não estranho ao plano divino, o que sucedera com Maria e a revelação de gravidez, sem conhecer o esposo, ou sê – lá fecundada para gravidez, suas interrogações pairava o desconhecido revelado pelo anjo. Mais a Lei civil da época, bem firmada no caráter de homem, por responsável e respeito, imperava, o dever de denunciar as contradições de uma desposada, pela simples pertença guardião em aguardar e proteger sua prometida e amada, de sê-lo esposo e sentir – se marido, assim era a cultura e formação. A noiva e o noiva crescia em graças de talentos e virtudes “Um para o Outro” desde infância, até o momento enquanto homem, e mulher em personalidade e BIO – e Amor fecundos de ambos.  Raízes do seio e cultura que o cristianismo absorveu e embalam e motivam o sentido de matrimônio, e casamento.

José deixouse lapidar: Em Deus e para o a Amor Maria

O plano salvífico de Deus, eleitos José e Maria, dentro da história Judaica e família, não foi contrário humanidade de José, ainda, meio despreparado, com tal notícia, a verdade real – Lei, repudiá-la. E de severas penalidades a mulher, e a Ele, perda por não ter a capacidade de guardar a honra, enquanto noiva.  Mais em sonhos, o Senhor, sob anjos divinos, o faz, compreender e acreditar na fidelidade de Maria, José lapidado, depois do ciumento enquanto humano, e de Deus, acende – lhes a chama de amor a Deus, e em deixa-se Lapida-se pelo Senhor. E isso acontece… José lapida todo o caminho de amor em Maria, mais sobretudo como Homem, varão de prometido a prometida.

A realidade de  Evangelhos e  homensSenhorio da lapidação e contrição 

Entendemos por que a figura de José, para os PF de Cristianismo e luz para o ser no corpo místico de Cristo para todos, e em especial, para os homens, este amor em Deus, vivo e presente, que devemos buscar- ló e resga – lo, para o plano salvador de nós Cristãos.

A banalidade e compromissos, de casamentos por união pelas insistências e impulsos sociais e financeiros, por vezes sob tutelas e tutorias de contornos financeiros, um péssimo fio condutor de futuro de matrimônio – Um receber em amor o outro, em laços fecundos de prosperidade de construção de familiar e vida a dois. Deus não faz parte destes projetos de partilhas e uniões, mais interesses individuais. E quando o castelo, se desfaz, e as tempestades abastem, aos casais. Insuportáveis calores da paixão e promessas de vida a dois, são esquecidos, nem pararam para rever ou pedir ajuda, e muito menos buscar em Deus caminhos iluminados de conversão, para atos e atitudes de si mesmos. E em caso de repúdio da mulher, o sofrimento de filhos(as), e o ciúmes extremado de homens deformados e inconformados e cegos espirituais e materiais, em suas derrotas temporárias, tiram a própria vida de suas desposadas mulheres.

Feminicídio ante contrição de repúdioAo declínio de amores e ciúme de Deus

A lei judaica a sociedade agia civilmente assim, pois os homens que não se deixa-se lapida-se pelo Senhor, não se trata-se  somente perdão, pois, para que aconteça ao coração, são caminhos de idas e retornos aos pés divinos, em contrição, para acontecer, em formação e reconhecer os erros e corrigi-los  . E salva-se do extremo ciúme de Deus, nas mulheres. A lei do divórcio, em instancias civis, quando não existem perdão e conciliação, é um recurso, de tempos de “Moisés”, por heranças, em tempos de avanços do Judaísmo, uma aliança quebrada, em uma das partes, recorre-se, sem necessidades de litígios vergonhosos as vezes, diante da negação de direitos na partilha de bens constituídos de projetos familiares.  O compromisso entre homens e mulheres, é banal. Em simples se une-se, e por simples aquecidos e por pouca tolerância se repudiam também. E a lado de discordância, mesmo com filhos(as) – Constituição fecunda familiar, se desfaz -se e separam-se. Porém, afluídos de turbulências e inseguranças de tantos aspectos e mudanças de valores culturais, o repúdio feminino, torna-se uma ótica da cara social de casamentos relâmpagos – instantâneos e relacionamentos próximos de pertenças e submissão de luz, e construção de amor de um ao outro. Antecipadas de parceiros e casais, em sê-los espontâneos de suas sexualidades vivências como “objeto e coisa”, principalmente por parte de homens, sem a formação de lapidação pessoal necessária de Deus. 

A cultura ocidental, pós-moderna, a mulher caracteristicamente, não é preparada, mais para a promessa de casamento, diante de valores de desconstrução de fidelidade masculina, a esposa. A essa descontração de valores de família, esse deixa-se lapida-se por Deus, fora fugindo dos contornos ao – “Varão” sempre fértil e másculos de homens. Uma forte contribuição de valores Cristãos, perdidos, além de outros fatores de impulsos também, de formas externas, em relação a formação profissional de jovens e mulheres impulsionadas pelas famílias e projetos de vida.  Mulheres, consideráveis respeitadas, pelas conquistas, de testemunhos e exemplos de prosperidade para a força produtiva, de postos, caracteristicamente de alcancem de masculinos em empregos e postos de confianças de grandes circuitos e ambientes de trabalho, o caráter de mulheres, vem acentuados invejável capacidades de lideranças e formação para chefia de equipe. E coordenações de grandes projetos e trabalhos. Uma acentuada, e sinal de competição e Guerras de  sexos H x M, sem razão de ser. Pois termos diferenças, e um aprende com o outro, o que lhes falta, é a lei de amor e laços de completude, destes tempos primórdios, porque tanta insegurança masculina, diante de uma guerra mortal, que acabada em perdas de vidas, que restam, se não vidas destruídas, no simples ato, de inconformismo, em casos de repúdio.

Homens deixeivos lapidarse por Jesus

O lapidasse é ganhar compreensão da gratuidade de amar,  Jesus renova as forças, em casos pressões de incompreensões pessoais, diante de erros, que muitas, vezes se perdoa, pelas mulheres, mais suas forças, são vencidas, pelo repúdio, face a face de desamor e respeito, diante de considerações e percepções, atitudes e atos, em e  por serem “objeto e coisa”, e não esposas, noivas, companheiras e ou parceiras em comunhão e laços, quando se permitem. A flor mulher existe, mais a ausência deste lapida-se e espera, por vezes e muitas vezes, são vencidas, e achega-se perigos e perigosos contratempos, por discernimentos, afasta-se. Buscar descriminalizar -Las e ardentes e queimados ciúmes, devem buscar a lapidação e iluminação de amor por si, em primeiro lugar e aos próximos posteriores, em Deus. Considerações de machismo: Inconcebível incorrigível, e não aplicáveis aos tempos de consideráveis de igualdades perante Deus e lei humanas presentes civis, em caminho. A concepção de “Varão”, a palavra, aplicada, pelo ser em potencial a criatura homem, de sempre fecundo, que sob os contornos e evolução, não significam aos volumes e irracionais condutas   por vezes irresponsáveis de ponderações e prudência de sua sexualidade. Um aparelho fecundo reprodutor, diferente da mulher, que o tempo de preparação de fecundidade, tem suas peculiares de preparação maiores e acentuadas, para: Temperamento; Construção da personalidade; Vivências de sua sexualidades práticas, fecundidade e ciclos de sua ovulação e círculo de sinais de amadurecimento de seus óvulos, que presidem favorecimento em todos os aspectos de sua vida.

Salvação divina –   Figura de São Jose e Maria

A comunidade de Jesus, o ciúme de Judas Iscariostes  não ficou, em 30 (trinta) moedas, fora junto, o testemunho, de Jesus, dentro e com irmãos e irmãs, as partilhas, o Projeto Divino, a negação de fé, ausências e negação de sentir-se amados, e inseridos, no projeto de resgate e Salvação, pelos pecados de homens e mulheres. Mais Amor Maria de mulheres, e grandes homens, como João, divinizaram Jesus e seus princípios no Pai. A santidade, de Jesus, Judas, não buscou este lapida-se, modela-se, romper arestas de danificadas pelo desamor ciumados, pelo não reconhecimentos de: Dons, talentos e virtudes de amor do outro a    que nos falta ou ausenta -se em nós. Que nos ilumina de graças e reconhecimentos, render -se   e receber as graças, e amor de Deus. Homens Contemporâneos terão que aprender a perder e assumir ao repúdio de mulheres, perante insistências do não assumir querer a fidelidade e formação de homens compromissados e em instancias de formação corpo familiar de responsabilidade, porque não paternidade e chefe em conjunto com esposa diante do seio da Santa casa e lar. Essa fidelidade, toda mulher aguardam e esperam, e sofre as demoras quando esse íngreme motor de uma união, e por sua vez e ato e amor de desposar a mulher escolhida, mesmo perante mudanças de valores culturais e sociais, sendo Cristão ou não. Se teremos que construir outros valores, controvérsias iniciais de relacionamento em galgar caminhada de casal. O mínimo de respeito entre ambos. Neste consistem valores de amadurecimentos, e não permanecer inconscientes valores culturais e sociais, mais divinos por natureza, no Amai – vos e respeitai – vos uns aos outros. Esse lapida -se, somente os “homens”, tem de aprender com mulheres, essa sensibilidade de respeito por si e por suas companheiras, esposas e ou parceiras, nas diferenças, e semelhanças, que cada instancias e compromissos se achegam, sempre por igual, no esmero e respeito. Reconhecer pecador, todos temos, e refazer descaminhos, um merecimento divino, que nos consagram ao Senhor. As graças, também, o manto de Maria, alcançou São José. Que não capazes por vezes perdoados, mais serem, portanto, a perdoar-se e amar a si, e aos próximos.

Orai ao Senhor, e vigiaiNão sabeis a hora.

Ah! Senhor da criação, que nos conhece, e que enquanto criaturas Imagem e semelhança em esse dom criador, tu perdeste a fórmula, ao dar o nome e identidade em batismo de cada, um. Pois conhece pelo nome…” és meu. Batiza cada homem, e ilumina os caminhos de testemunho perante outros e outras mulheres, com exemplo, divinos e humanidade de Cristo, ensinai-lhe a respeitar as mulheres, somente, perante mães, mais como escolhidas e acolhidas, esponsal, e sentimentos, de querer fazer o caminho de salvação a dois e família juntos.”

“Olhai pros céus, e as estrelas simbolizados de amor, saltam as nuvens…sob o manto sagrado da sensibilidade de mães, as Nossas Senhoras, criaturas divinizadas, na figura de mulheres, de todos os dias.”   

[Santos, Jusenildes., (2019). Olhos voltados à Deus – Aspirando as coisas dos céus – Vê a vida por conteúdo e ressurreição [Homens, mesmo em repúdio feminino, como “São José” – Buscai em Lapidar -se, em graças] University Europeia Atlantic – Ibero. TI. Teologia e política – FCP. [Colóquio]., Docência práticas CGTC – UFSC., 2019.]

Publicado por

jusenildes

Pesquisadora Ciência da Informação - TIC digital Aprendizagem e conhecimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s