Subsídios – Gestão base convenção regimento – CR : Perspectivas, Reestruturação, Adequação, Finanças ADM-  Condominial NO – Projetos.

” Análises de  frentamentos em princípios fundamentais  – CR – Empresa CRCPC – Enfretamentos. Propostos projetos – Evolução “

Resumo:

De conteúdo descritvo, buscamos apresenta, subsídios em gestão, de síndicos (a); Decisão de negócios; Adm. de finanças; Receitas; RH – funcional; Enfrentamentos de representações; Visão de conversão – Regimento. Consequências; Aplicabilidades; Funções de sindico(a) e Adequações possíveis. Recomendações de projetos Diretivos Estratégicos em Gestão Ordinário. Entornos de adequações e inovações em visão de empresa e gestão de economia e finanças. Consequências, concentração de atividades de gestivas, ausências de participação condomínos social; Comunicação integral em ocorrências. Otimização e tecnologias inovativos.

Palavras – Chaves: Gestão condominial; Decisão ADM. ; Recomendações diretivas; RH – funcional; Avaliação; Otimização e TIC.

Introdução

As perspectivas e tendências em gestão frente, as possíveis considerações em: Análise, acompanhamento, relações de orientações, recomendações propostos em instâncias diretivas em retornos planejados, poderiam fluirem ou evoluirem em imediatos e antecedentes dispositivos e pré- administráveis, em estabilização eficaz – SGPRA – Projetos. Enfatizamos por recomendações por cada fase: Pré – requsitos gestão, de síndicos (a) em face, então: a) Conversão – regimento representante eletivo; b) Adm. – contrato renovado NO condominial; c) Gestão de sindicos(a), com segundo – RC; d) Enfretamentos e frentamentos e recomendação de projetos ordinário e decisão diretivas estratégicas; Adequações possíveis, administração de finanças e decisão – RH funcional.

II – Perspectivos desenvolvimento – CR: Evolução

2.1. Fundamentação teórica e práxis- Projeto – CR .

1a – Fase – Regimento gestão de síndico concentração funções e atividades, sociais e comunitárias; ADM. receitas, economia, e finanças, por princípios tendências de economia gradiente de distribuição condominial comunitária proprietários – moradores – residentes. Etapa 2012-3.

2a – Fase – Propostas representação nos princípios fundamentais – CR. Continuação, presencial de gestão mais distribuição de atividades e agilização de gestão e decisão, em RH – funcional relacional, menos gradiente, finanças mas investimentos em mobílias e equipamentos, infraestruturas, visão de rotinas e atividades efetivas evolutivas em sociáveis e comunitárias e mais participação. O síndico relacional, não concentrativo . Etapa 2013-4.

3a – Fase – CR – Eletiva participativa acalourada e aclamada populismo, conflitual, influência circunstanciada impulsionada externa a interna comunitária e social. Gestão concentrativo e individual, sem bases PF em gestão e ADM. e relação com pessoal – RH por déficits, práticas de decisão imediatas, sem agregação de equipe. Desestatização do padronizado de infraestruturas de condomínio normativos projetal original, básicos. Inexperiência. Motivacional para gestão sem evolução. Etapa – 2015.

4a – Fase – Representação eletiva equitativa participativa – CR. Apoio perceptivo, presencial em gestão de síndico, concentrativo distribuída. Gestao empresarial introduzida, negocial, social e menos comunitária participativa de partilha em atividades. Contratos de pretadores serviços em negócios de gestão. Recomendação de Projetos – CR e diretivas estratégicas econômicas, sem receptvidade, para percepção evolutiva. Experiências em gestão de entidades. Participação condominial relacional, motivacional, sem evolução. Sem efetivação gradiente da finanças distribuídas. Ausências de gestão ágil decisiva. Etapa – 2015-6.

6a – Fase – Gestão eletiva representante – RC. Concentrativo e gestão individual, sem participação grupo. Influência e motivacional apoio de comunidade residente, menos presencial. Gestão contratos em prestadores de serviços, RH – funcional insatisfeito, mais evolutivo cabo de turma e não supervisionada. Mas otimização de TIC, sem evolução para implantação de projetos, mais experimental, sem ADM. de serviços efetivos, conflitual e descontroles e descontinuidades CR. Recomendação de Adequação de projetos em gestão básicas emergências e estratégicas diretivas, submetidas em atenção ao Conselho e Gestão síndico. Perfis reguladores, descentralizaveis e dispersos essenciais legíveis aplicáveis e não – maquiaves. Desconhecimento de CR. Influência de empresas ao comércio consumidor e impulsionador para agilização efetivas, para transformação de regras essenciais necessárias visionária, sem óticas sistemas de seguranças aos condôminos importantes. Conflituais posteriores, pela ausência bases CR – aplicáveis anti – conflituais e pré- acionadas. Influência externa a gestão e comunidade pouca envolvida, e participativa. Comunicação evasiva. Residencial transitória de moradores, sem compromissos. Recomendações de projetos e ao Conselho. Etapa – 2019 – 20

5a – Fase – Representação eletiva – CR, motivada e aclamada social comunitária, influenciável relacional externa em políticas públicas. Modernização de infraestruturas mantidas, evolução com continuação de contratos de prestadores de serviços. Gestão inovadora, decisão em Adm. Condominial, evolutiva e RH – funcional conflitual insatisfações a questão DT. Menos finanças gradiente, mais inflacionária distributiva. Gestão concentrativa posteriores contínuos, sem presencial necessária para fragilidades decisivas. Etapa – 2017- 9. Decisão manutenção força maior MPE – Corvit – 19, sem continuidade perspectivos – CR.

2.2. Recomendação DGE- Equitativa Sustentável

2.2.1. Corpo funcional – RH por planejamento – Decisão medidas.

a) Considerável e essencial, importante, em relação ao corpo – membros que trabalham no desempenho administráveis no momento para condomínio na gestão contrato com a empresa NO, com reunião com os mesmos, perante direitos trabalhistas, pois percetíveis entraves, que o comportamento de trabalho, não condiz com contrato estimado para desempenho de atividades para o condomínio – RCP Cidade, e decisão a serem consideráveis, possíveis:

●Desempenho de atividades de serviços centraveis em residentes – moradores e não contrato de trabalho para corpo funcional – RH presente;

● Invasão de privacidade particular de vida de proprietários e ou moradores por parte de corpo funcional, sem autorização de mesmos;

● A particularidades em atividades de grupo, para trabalho em atividades funções direcionado, sem necessidades de possíveis procedimentos, em regras in loco, segundo contratos de trabalho;

● Consequências e acontecimentos evidentes explícitos e evidências:

a) Qual vínculo de contratos de trabalho – RH funcional atual no RCP Cidade – 2018, gestão atual social;

b) O contrato com a ADM – NO e desempenho de trabalho atividades operacionais simples – RH? Como funciona?

c) Os contratos com condomínio e gestão síndico (a), ou contrato com a ADM – NO, frente a desempenho de atividades;

d) Que tipo de contrato atual evidência atualmente in loco com RH – corpo funcional, perante leis trabalhistas;

e) Os DT, estão sendo oficiais e seguidos, presentes os rigores e devidas para a gestão coordenada e supervisão a ADM – NO. Questões de trabalho e vínculos contraditórios e outros vias jurisdição trabalhistas;

f) Finanças, em folha de pagamento – RH, sequenciais in loco jurídica leis de trabalho verificados? Presentes, em políticas da gestão de síndico ( a), sendo acompanhamento;

g) A fidelização de acompanhamento de orientação de gestão síndico( a), e supervisão para trabalhadores funcionais e desempenho de atividades – RH funcional em horários que a mesma não esteja? Que tipo in loco. O exemplo: RH – corpo funcional noturno? Como portaria e sistema de acompanhamentos de câmaras por responsável?

2.3. Documento – Gestão.

2.3. Recomendação diretiva Gestão – RH – Projeto.

2.3.1. Documento – Retorno em Discussao as recomendações submetidas Adequações. Ao conselho fiscal. Os vínculos em relação a sistema de protocolos de gestão ativa funcional para identificação para maiores eixos de otimização de serviços para gestão ativa organizacional.

2.3.1.1. Ponto primeiro – Identificação

a) O corpo funcional de funcionários com identificação ( Crachá) individual – Nome; Função e/ cargo;

b) Visitantes( Crachá);

c) Serviços de empresas em permanência ( Crachá);

d) Cadastro anual de locação moradores – condôminos- proprietários por bloco estatísticas de taxa – via condominial mensal e mudanças atualizados;

2.3.1.2. Ponto segundo – Caixa individual de correspondência centralizado:

a) Adaptação ou criado;

b) Apartamento/ bloco.

2.3.1.3. Ponto terceiro – Sistema coletor de lixo com reciclo básicos condominial e política seletiva de educação de lixo doméstico:

a) Lixo doméstico na troca de informação como selecionar cada típico de lixo por hábitos individual. Obs:. Coletores por bloco e horários para apartamento fora retirado condomínio; Colocado coletores grandes centralizados e diversos em cada bloco; Planejamos no Bloco I – Comunidade Redes sociais – RRRR para troca de informação Lives e contatos cadastros – 08 adesão aos convites/ interesses, Adm.;

c) Cadastro, sem participação de relação, apenas a 103 – prática desde início .

2.4. Justificativa eixos diretivos

● CR – Não empreendem incisos para presença de sistema armado de segurança e nem função ;

● Mediante estes que medidas de decisão na gestão com relações humanas e funcional de atenção e, onde o cuidados peculiares, onde o sistema de TIC de segurança para acessos de pessoas dos apartamentos e circulação externos de áreas com identificação e serviços setores de recepção identidade imprevisíveis, que atendam identificar eixos permanência ;

● Para aplicação de mudança de ajustes a propostas inovadoras de gestão ativa e estratégicas em condomínio e segurança funcional – GPH, com padrões sustentáveis alinhadas a novas tecnologias e de usos, e consumos domésticos (Sistema de vigilância para câmaras implantadas e Rool de entrada fase experimental, mais sem monitoramento espacial apenas para gravação de acessos – Casos em excessos ou negados); Existem falhas com roubos e juntos e pequenos sinistros;

● Em síntese conscientes e a conscientizar corpo funcional que o condomínio com sistema de regras de convivência e seguidas, evitará desorganização e desarticulação de valores em todas as instâncias para evitar futuramente:

a) Conversão/ Regimento sem valorização e otimização;

b) Queda e baixa de receitas;

c) Baixas de reconhecimentos de obrigação financeiras (Pessoal, contratos e serviços, etc);

d) Acúmulos de dividas;

e) Demissão funcional e impermanência de direitos trabalhistas e impostos obrigatoros;

f) Falência privada e dívida condominial.

Notas observadas: . Acompanhadas- ADM / livros fiscais: 1 ou 2 vezes presenciais/ acompanhadas e cobranças a ADM – NO pontos em abertos ou implícitos indefinidas para esclarecimentos; Inserimos reclamações e exposições de justificação ou declaração presentes a serem incluídos – Receitas/Divulgação para condomínios taxa impressas boleto – Doc/PDF; Acompanhamento – atenção sinistros (Registro – Livro; gestão ativa, regulada e acompanhada pelo Conselho ativo sempre, evitará fins de caos de gestão para desorganização e bagunça; Visitação em pontos (Início e final); Recomendações – supervisor; Atenção aos idosos e outros (como se organizar políticas e acessos; Fazemos parte de SE/ Brasil, cada organização privada ou pública funcionando com otimização positiva, estamos contribuindo para um País – BR organizado politicamente (Doutrinas, regras e normas funcionando de organização), que não é politicagens(Contraditórios a forma, obrigatórias de leis e regulações legais organizacionais); Assim possamos contribuir com conhecimentos e informações; Outrossim aguardamos apreciação deste que se faz, para adequações e recomendações a seus tempos; Pedimos retornos deste por então a disposição que fazemos, maiores esclarecimentos; Em síntese, perante posição possíveis de conselho, e gestão condominial residencial CRCPC.

2.5. Recomendação Gestão – Diretiva

2.5.1. Proposta sugestiva pauta – Solicitação para exposição – Reunião a realizada Fev. / 2021. Gestão síndico/ Conselho envios . Mediante justificativas de insistentes sinistros evidenciados verificados e perceptivos locais de observação – ” QQ” – Indicadores (03 dias – Ocorrências 07 duas após).

2.5.1.1. Apresentação (Individual do profissional com subsídios percetíveis probatórios de titulação/ conhecimentos e formação – 5m’ (Condômina proprietária);

2.5.1.2. Apresentação Assessora jurídica ( Evasiva e apenas interrogações – Sem 5m’);

2.5.1.3. Apresentação – Gestão síndico- 10m’. Apenas síntese teoricas/ práticas. Pergil – estatísticos ou desenho a serem expostos.

a) Equilíbrio de receitas% e déficit 2020 – 21 – 6 meses, em 2 m’;

b) Perfil RH % 2 m’;

c) Perfil de ocorrências nos últimos 6 meses( Índices típicos %);

d) Perfil moradores/ condôminos proprietários 2 m’;

e) Perfil/ propostas início da gestão (Afirmativas, ou negativas e abertas a concluir gestão para RCCPC % 2m’.

Notas observadas:. Pontos da gestão sem probatórios a serem apresentados, ausentes. Apenas teóricos práticos e evasivas. Gestão sem controle de evidências reais e realidade. Satisfação da gestão.

2.5.1.4. Análise – Questão

a) Índices e perfis- 5m’ ( Discussão e fatos evidentes a serem verificados em abertos;

b) Projetos implícitos (RCCPC) 5m’

c) CR – sem divulgação para renovação dos condomínios/ moradores 5 m’;

d) Localização do RCCPC % 5m’;

e) Caso em pauta – ocorrências – insistentes presente sinistro confirmatorios com evidências – Gestão concentrativa, e sem participação/ grupo – Sem distribuição de função;

f) Outros. 5m’ – Membro/ Equipe com relatório final da reunião para a gestão – Sem apresentação e presença na reunião.

CONCLUSÃO FINAL

As considerações finais, não apresentará pretensão em especialidades de gestão de condomínio e administradora em evidências a frente de vários e inovação ADMs, mais dar veracidade de importância um CR em observância atualizados, e participação de residentes e moradores locativos firmes em seus investimentos altos, financiáveis e opção típica em arquitetura urbana Pós – Contemporânea em grandes metrópoles cidades de: Família; planejamentos familiares e indivíduos cidadãos. Diante de conclusões, apresentamos por pontos, a serem revistos importantíssimas, para seus sujeitos e atores: a) Ponto primeiro, a típica realidade de sistema arquitetônica padronizada urbanística, persistente, fator predominante, por interrogação a serem consideráveis, e por serem revistos por desenvolvimento urbanísticos em qualidade de vida de uma cidade – Metrópole planejada, que devem serem seguidos , e nunca estar em ausentes – ADM – Gestão – Cidade executiva – Plano diretor em suas linhas de circulação e agregadoras comunitárias e sociáveis instituídas em sintonia e parceiras de 10 a 10 anos, com: Dados atualizados; Estatísticas; Índices DH; Projetos; Renovações e adequações diretivas/e ou inovadoras; Pesquisas geográficas e domiciliários e outros; Visão de realidades; Perspectivas – T&C; Tendências e P – PP de aspectos pontuais de – DH inclusivos educacionais de um País constitucionais, e nunca exclusivos. Ponto segundo. Insistentemente, envolvem os sistemas e aspetos a serem suplementados, projetos P-PP e suprimidos – Plano de desenvolvimento econômico e social – País, impedem e criam , refletem – IDH em Déficits. Ponto terceiro. Projetos – Condomínio/Inovação – Planejados para um perfil de condomínios/ moradores – proprietários com percursos de evasiva em escala de mudanças em Déficits – continua início planejado futuro e investido, de forma familiar com bastante risco e desvantagens por fatores infindáveis, principalmente econômicos, ou desvios do projeto executor, persistem perpendiculares e coeficiente em alerta para mudanças de sistema urbanística de residência- arquitetônica planejada. Ponto Quarto. Gestão sem fins de qualificação e compromisso, enquanto investidor – colaboradora com condomínio – moradores – ADM, e futuro(Apenas eletivo e função representante, não – membros condominio). Ponto quinto. Gestão- Equipe composta, não terminará, e nem inicia-se com parcerias e concluir gestões, individualismo do gestor, persistem em evidenciarem deste início. Ponto sexto. Gestão se administra, e não são síndico – concentram atividades e distribuem, conforme regimento básico/ conversão. Ponto sétimo. Cargo eletivo representante para residencial privado, atribuídos a política partidária, locais e nossos ou posição circunstâncias sociais e aspectos, influência dentro de gestão ( Por vezes trabalho empregatício ou função de destaques, não são exclusivos da gestão). Ponto oitavo. Interesses dos condôminos – moradores, sem participação, ou sem típica forma predominante de articulação, comunidade desarticuladas, e concentrada, e fácil de serem incluisiva, perante sistemas ágeis de articulação; Redes sociais; Celulares; e Correspondência. Considerações finais, gestão concentradoras, insistementemente nos síndico, perante perfis por terem “medos” típicos de participação, e rodízios de outros sequênciais para gerir. Permanecem concentrados para síndico e Coordenada para ADM. Equipe/ Conselho, se separam do gestor, na pessoa do síndico, até mesmo, os condôminos e moradores, são vistos como incômodos, e não como co – participe de investimento no sistema de residência e comunidade social que é. Apenas e vistos para cobrarem o certo é erros, ocorrências do gestor e ADM, assim cada gestão terminam por perfil, não caracter de soma, e representante escolhido e acolhido. Terminam com caráter duvidoso a suas gestões, e se precisar continuarem encontram dificuldades de reeleição ao persistirem por distanciamento de todos. Procuram todos , para serem reeleitos, a competição passam a serem opção de alguns e outros, manobras, impedimentos e barreiras. Quando não acolhidos, e eleitos ou términos, desistem do investimento ou morada anterior , o condominio, sem ou vendem seus imóveis, tornou-se peculiar, o formato de gestor – síndico. O relacional com todos, o respeito, tornou, intolerância popular, pelos conflitos, e ocorrência por concentrarem, e utilizar a equipe, e os próprios sistema coordenado de gerir. Cadê os condôminos, o Conselho.O corpo funcional. A desconfiança diante da pessoa do síndico(a) faz parte dessa caracteristica urbana, não defendemos, presença de ações de Polícia, justiça para casos de desinformação, falta de relacionais de síndicos e equipes, condôminos e conselhos, ainda existem o corpo funcional a disposição. O perfil, é meio administrador da finanças e coordenador para os recursos de apoios externos de gastos dos condôminos e moradores representante, repito, escolhido e acolhido. É membro e parte da comunidade, sociedade, é eleito para gerir, ao sistema de comunidade típica condomínio, residencial, e administração coordenada distribuída de seus sujeitos e atores. E sob conversão e Regimento atualizado, e que todos, o verificam, e seguem, aos casos, ausentes suas formas de avanços ordinários, ou extra- ordinários de mudanças, ainda inesxistentes a sensatez, e equipes indicadas, a recorrer, para harmonizar, equacionar, CR e relacional entre todos.

[Santos, Jusenildes dos, . (2021). Subsídios – Gestão bases conversão regimento CR: Perspectivas, reestruturação, Adequação, Finanças, ADM – Condominial NO – Projeto.” Análises – Princípios fundamentais CR – Empresa CRCPC – Enfretamentos. Propostos projetos – Evolução”. Research gate. FAPESP., ( Documento estudo), 2021. ]

Publicado por

jusenildes

Pesquisadora Ciência da Informação - TIC digital Aprendizagem e conhecimento